Posts recentes

História ou Lenda

Deixei lá a minha alma!

O ORÇAMENTO PARA GÉNIOS

O PODER DA OPINIÃO

A POBREZA

A ilusão do sonho ...

As Religiões e Deus

O COELHO DA CONSTITUIÇÃO

As Torres Gêmeas

Casa Pia

Arquivos

Abril 2011

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Segunda-feira, 5 de Abril de 2010

TEXTOS

São textos pobres e simples

De uma escrita quiça, mediocre e obsoleta

Pouca gente entenderá

Esta minha dialecta

 

Tento ser directo e recto

Para quem ler possa entender

As vezes perco me nas frases

Depois acabo por compreender

 

Sinto que só um Homem de Paz

Por não conseguir exprimir

Embora não deixando de tentar

Porque nunca fui capaz de fingir

 

Sinto raiva

Sei o que quero dizer

Por vezes as não deixo sair

Sinto as lágrimas a emirgir

 

Quando estou mesmo carente

Só quase como um bébé

Incapaz por não saber

E ainda mais por não saber mexer

 

Sinto capacidade

para fazer o que vou fazendo

Podem chamar me transloucado

Mas eu sempre cá vou escrevendo

 

Acho que já estou a melhorar a cabeça

Sinto o pensamento levitar

Embora ainda me custe muito a levantar me

O cerebro começa a trabalhar

 

Parece que a iluminaçao do cerébro

Apanhou a lucidez

Está novamente funcionando

E a velha luz começou a deslumbrar novamente

 

Graças a Deus começo a lembrar me ou ficaria louco

Só não consigo ainda lembrar me das palavras

Com a pancada o dicionário ficou ao contrário

Chamo lápis ao martelo,Batatas ás laranjas

 

Por incrível que pareça fiquei vazio

Parece que tudo da minha cabeça desapareceu

Depois com os tratamentos pouco a pouco

A biblioteca apareceu

 

Só quem passa por elas é que pode dar valor

E compreender e dar valor  às coisas

Nada acontece ao acaso

Vou levar tempo a recuperar

 

Sinto que terei que voltar a ser o que era

Tentar dizer que me vai na alma

E não me deixa adormecer

A minha aúrea de escritor vai novamente aparecer

 

Sempre pensamos que só acontece aos outros

Por isso a nossa cabeça não quer saber quem somos

Mas graças à nossa espiritualidade interior

Temos capacidade de mostrar quem fomos

 

Com os problemas até se perde a tesão

Tudo não passa de uma miragem

Olhamos as pessoas e muito poucas nos atraem

Nem nos ajudam a levantar

 

Às vezes só em pensamento

sinto que estou novamente vivo

Pessoas que nunca nada me disseram

E que em sonhos fazem sexo comigo

 

Só pode ser brincadeira

Ou estarei a ficar passado

Sonho só com porcarias

Mas gosto do sonho sonhado

 

05-04-2010

 

 

 

 

 

 

publicado por Lausinho às 19:06
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

Abril 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Sempre a assapar...

blogs SAPO

subscrever feeds