Posts recentes

História ou Lenda

Deixei lá a minha alma!

O ORÇAMENTO PARA GÉNIOS

O PODER DA OPINIÃO

A POBREZA

A ilusão do sonho ...

As Religiões e Deus

O COELHO DA CONSTITUIÇÃO

As Torres Gêmeas

Casa Pia

Arquivos

Abril 2011

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Tempo

Weather Forecast
Local Contractor Lists in All States of US
Local Contractors
Sexta-feira, 25 de Julho de 2008

No tempo da ditadura

 

NO TEMPO DA DITADURA
 
Fui uma criança como tantas outras neste pa    ís
Que muito cedo foi trabalhar
Sou de uma família numerosa
E mesmo o poucochinho dava para ajudar
 
Nem aos domingos me safava
Ia com um padrinho da minha mãe
Fruta ia vender para fronteira Vilar Formoso
E a aldeia de Nave-de-Haver
 
Chegados à fronteira
Já com a fruta na banca montada
Pela manhã ia a Fuentes de Onoro
As compras que ela me mandava
 
Era já uma rotina aos domingos
Lá na banca gente estranha se juntava
Sempre que me deslocava de Fuentes
Atrás de mim seguia gente carregada
 
Como conhecia os caminhos
A madrinha da minha mãe Pedia para os levar
Eu espreitava na estrada
E só depois mandava avançar
 
Os Guarda-Fiscais eram como cães
Passavam de bicicleta a fiscalizar
E os senhores da PIDE
Sempre os fintei até me deixar apanhar
 
Tinha apenas quinze anos e um dia
Quando de Fuentes estava a regressar
Fui abordado por um PIDE de chapéu
Que me agarrou e me obrigou a acompanhar
 
Levou-me então para a alfândega
Onde o interrogatório tive que aturar
Não percebia o que me diziam
Estavam sempre a dizer que pessoas andava a passar
 
Passei ali o dia inteiro
Como outros que também se tinham deixado apanhar
E um houve que me explicou
Estão-te a acusar de pessoas andares a passar
 
E foi aí que pela primeira vez
Que soube que era um passador
E comecei a ter medo da PIDE
Que torturavam até um menor
 
Luís Pragana
25-07-2008
publicado por Lausinho às 17:06
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

Abril 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Sempre a assapar...

blogs SAPO

subscrever feeds