Posts recentes

História ou Lenda

Deixei lá a minha alma!

O ORÇAMENTO PARA GÉNIOS

O PODER DA OPINIÃO

A POBREZA

A ilusão do sonho ...

As Religiões e Deus

O COELHO DA CONSTITUIÇÃO

As Torres Gêmeas

Casa Pia

Arquivos

Abril 2011

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Tempo

Weather Forecast
Local Contractor Lists in All States of US
Local Contractors
Terça-feira, 28 de Outubro de 2008

Um cidadão atento

 

UM CIDADÃO ATENTO
 
Como cidadão que sou
Gosto de criticar
Tudo o que vejo mal feito
Para as pessoas alertar
 
Sempre que ando na rua
É vê-los a passear
Esta na moda ter um cão
O difícil é dele cuidar
 
Alguns têm animais pequenos
E tem já cuidado com o cão
Sempre que à rua vão
Já apanham a merda do chão
 
Outros há que até gozam
Com a merda que o cão faz
Sentem um certo prazer
De deixar a merda para trás
 
São cães que só podem andar açaimados
Mas os donos não ligam não
Para assim persuadirem
Quem lhes chamar a atenção
 
O pobre do animal não tem culpa
Está assim habituado
Ao dono deviam-lhe mergulhar o focinho
Para aprender a ter mais cuidado
 
É apenas uma questão de educação
Saber educar o cão
Levar o animal a passear
E apanhar a merda do chão
 
Luís Pragana
28-10-2008
publicado por Lausinho às 11:43
link do post | comentar | favorito

O centenário do poeta da urze

 

O CENTENÁRIO
DO POETA DA URZE
 
Miguel Torga faz cem anos
O centenário foi comemorado
Em Coimbra cidade que o acolheu
Um monumento foi inaugurado
 
Esta cidade que o acolheu
Presta-lhe hoje homenagem
Ao inaugurar o museu
Para lhe prestar vassalagem
 
Foi poeta escritor
Homem comum e doutor
Mas amava a sua terra
Sentia-se até lavrador
 
Perseguido pelo regime
Salvou vidas e escreveu
Mas os intelectuais de então
Nunca ele os entendeu
 
Faz parte do clube dos grandes
Será sempre um poeta rejuvenescido
É parte da cultura deste povo
Jamais será esquecido
 
Luís Pragana
12-07-08
 
 
publicado por Lausinho às 11:42
link do post | comentar | favorito

Não pares de escrever

 

NÃO PARES DE ESCREVER
 
Conheci um dia um homem
A quem dei umas quadras a ler
Disse-me que tinha muito jeito
Que continuasse a fazer
 
Continua a escrever
Dizia-me esse senhor
Tudo o que te vier à cabeça
Sempre que te apetecer
 
Como gostava de conversar com ele
Certo dia perguntei-lhe se não estaria a gozar
Continua a pôr no papel
Deixa os outros falar
 
Se tens coisas a dizer
Não deixes a tua mente parar
Não pares de escrever
Mesmo que seja só a brincar
 
Descarrega o que sentes
Não terás que te arrepender
Fazes trabalhar a mente
E o cérebro vai fortalecer
 
Não ligues ao que os outros dizem
Continua a desabafar
Ficaras aliviado
E sem querer os está a ajudar
 
Luís Pragana
28-10-2008
publicado por Lausinho às 11:42
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 22 de Outubro de 2008

O país tem que estar primeiro

 

O PAÍS TEM QUE ESTAR PRIMEIRO
 
Já todos sabíamos
Mas esta crise económica veio mais uma vez demonstrar
Que os interesses partidários estão primeiro
E os do país estão em segundo lugar
 
Os lideres dos maiores partidos portugueses
Tinham obrigação de uma solução arranjar
Para ultrapassar o sub-prime
E no povo português realmente pensar
 
Deviam ter olhado para os nossos vizinhos espanhóis
E aprenderem que mesmo com ideias diferentes
Podem arranjar soluções
Para o país seguir em frente
 
O cidadão vulgar não é tão burro como os políticos pensam
Sabe distinguir o bem e o mal
Agora com esta crise económica
Juntem-se todos para salvar Portugal
 
Deixem as querelas demagogas
Tratem de pensar a uma só voz
Porque para chegarmos a este estado
A culpa é só vossa de todos vós
 
Porque não assumem um pacto de regime
Para os problemas graves resolver
Assumam de vez as vossas diferenças
Tratem das doenças deste pais que o povo vai agradecer
 
Somos um país pequeno
Outrora tivemos uma grande projecção
Mas a máquina do estado
Não reduziu ao tamanho da nossa dimensão
 
È pois uma grave doença que afecta esta nação
Os remédios têm sido ineficazes
Consome a maioria da riqueza
E os portugueses continuam miseráveis
 
Se não estagnarem esta doença
A avidez vai continuar a aumentar
E nem na próxima vida
Este Portugal que amamos irá mudar
 
Não pode um país de 10 milhões
Produzir riqueza para esta doença tratar
Por uma vez não pensem só nos votos
E tenham coragem de com esta doença acabar
 
Luís Pragana
22-10-2008
 
 
 
publicado por Lausinho às 16:03
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 20 de Outubro de 2008

Procura-se - dão-se alvíssaras

 

PROCURA-SE
DÃO-SE ALVÍSSARAS
 
A quem souber de um político sério
Trabalhador bom carácter e incorruptível
Que tenha um projecto para o país
E que se encontre disponível
 
Deverá ter visão de futuro
Ser integro e inovador
Que coloque o país em primeiro
Não é obrigatório ser doutor
 
Se tiveres estas qualidades
Ou se conheceres alguém que as possua
Não tenhas medo de arriscar
Porque esta terra também é tua
 
O povo português está cansado
já não aguenta mais
Estamos fartos de hipócritas e demagogos
Precisamos alguém que não estrague mais
 
Não tenhas envergonha deste folheto divulgar
Porque alguém o irá encontrar
Será o líder que necessitamos
E as alvíssaras virá reclamar
 
Luís Pragana
20-10-2008
 
publicado por Lausinho às 11:35
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

Abril 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Sempre a assapar...

blogs SAPO

subscrever feeds