Posts recentes

História ou Lenda

Deixei lá a minha alma!

O ORÇAMENTO PARA GÉNIOS

O PODER DA OPINIÃO

A POBREZA

A ilusão do sonho ...

As Religiões e Deus

O COELHO DA CONSTITUIÇÃO

As Torres Gêmeas

Casa Pia

Arquivos

Abril 2011

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Terça-feira, 24 de Junho de 2008

As Carcaças abandonadas

 

 

AS CARCAÇAS ABANDONADAS
 
 
Andam por aí espalhados
Estão velhos e degradados
Cheios de ferrugem e de lixo
Ao chão estão colados
 
Ocupam os poucos lugares que há
Votados ao abandono
Vão entupindo os parques
Sem dignidade nem dono
 
Espalhados pela cidade
Não têm rodas e não têm vidros
Servindo de dormitório
São o lar de alguns mendigos
 
Muitos já criaram raízes
Nas ruas de Portimão
Sem rodas e com os vidros partidos
Assentes em blocos e no chão
 
É uma imagem degradante
Para quem nos vem visitar
Lembra um cenário de guerra
E o espaço público estão a ocupar
 
 
Luís Pragana
24-06-2008
 
 
publicado por Lausinho às 16:32
link do post | comentar | favorito

O Regresso das múmias

 

O REGRESSO DAS MÚMIAS
À RIBALTA
 
É o cheiro a cloreto e o bolor espalha-se no ar
Estão de volta os parasitas
Os sabichões e os economistas
Que o país ajudaram a pendurar
 
Os barões estavam já fartos
E cheiinhos de bolor
Querem ao activo voltar
Seja a que preço for
 
Já não sofrem de amnésia
Mas a traça estava a entranhar
Como não aguentavam a naftalina
Resolveram vir apanhar ar
 
Mas o nosso povo está cansado
De estas múmias limpar
São sempre os mesmos a procriar
E ainda temos que os aturar
 
Mas não serão estes mamarrachos
Que o país irão endireitar
Podem mudar as varejeiras
Mas a porcaria acaba por entranhar
 
Fartos de ser enganados
Nas eleições iremos demonstrar
Que Portugal merece mais
Andam connosco a brincar
 
É urgente arranjar alternativas
Gente nova tem que na política entrar
Não há político pobre
Só o Zé povo está a agonizar
 
Luís Pragana
24-06-2008
publicado por Lausinho às 16:24
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 19 de Junho de 2008

A esplanada

 

 

 

 

A ESPLANADA

 
Mas que manhã maravilhosa
Sento-me numa esplanada para um café tomar
Olho as pessoas à minha volta
A sussurrar e a lamentar
 
Há quem esteja triste outros estão calados
Também há os fala-baratos
Aqueles que olham, para todo o lado
Bisbilhotando não passam de uns frustrados
 
Sentam-se negros com burburinho
Chamam o garçon pedem imperial
Vêm dois idosos devagarinho
Bebem o café e querem o jornal
 
É uma manhã bastante agitada
E o garçon não tem mãos a medir
Mas de repente entra um drogado
Atira com ele e pôs-se a fugir
 
Vem um polícia acelerado
Atrás do drogado vai a correr
Mas como está gordo e um pouco cansado
A este homem já não o volta ver
 
Luís Pragana
19-06-2008
publicado por Lausinho às 16:23
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 17 de Junho de 2008

Portugal / Rep. Checa

 

PORTUGAL – REP. CHECA
 
Não havia ainda 10 minutos
E Portugal já marcava
A orquestra estava em sinfonia
E o maestro a bola enfiava
 
Mas a nossa orquestra desafinou
Alguns instrumentos começaram a falhar
Os checos afinaram o som
E aos 17 minutos com Sionco a marcar
 
Mas a orquestra afinou o teclado
E Deco estava lá para a orquestra comandar
E agarrou na batuta aos 63 minutos passou a Cristiano
Que pôs Portugal novamente a cantar
 
E os portugueses vibravam
Com este som espectacular
Já no final da partida Ronaldo passou o instrumento a Quaresma
Que acabou por o som aumentar
 
E assim os nossos músicos
Deixaram Portugal a cantar
Foi uma oferta para todos os portugueses
Que esta música gostam de tocar
 
Luís Pragana
11-06-08
 
 
 
 
 
publicado por Lausinho às 11:50
link do post | comentar | favorito

À beira do abismo

 

À BEIRA DO ABISMO
 
É com frequência que se vê deambulando
São o reflexo desta sociedade desumanizada
Parecem mortos vivos do lixo se vão alimentando onde o egoísmo é rei
E o resto não conta para nada
 
Cada vez são mais os excluídos da sociedade em cada dia que passa
São a nódoa negra da civilização
Mal trata quem produziu riqueza
E trata bem os senhores da especulação
 
Em constante movimento
Acentua-se a degradação e a pobreza
Com o mundo em modificação
A doença e a tristeza
 
 
Começo sinceramente a ter medo do que por aí vem
O crime violento tem aumentado
Os assaltos e o nível de vida como está
Sem futuro e sem rendimento qualquer um tem que estar preocupado
 
Urge desmistificar e arranjar solução
Se não qualquer dia destes teremos que dar razão
A todos os que se têm mostrado indiferentes
Num país onde a crise parece não ter solução
 
Não queremos voltar atrás no tempo
Será o regresso aos bairros da lata
As pessoas endividadas e sem trabalho
Terão de deixar de pagar as casas e ir viver numa barraca
 
Mas parece que só o governo não dá conta de como as famílias estão falidas
E as que não estão à beira de um triz
Esta politica de saqueamento
Está e deixar este país como se diz
 
O caos aproxima-se a passos largos só os espertalhões sobrevivem
Mas os burros também estão condenados
Se cairmos no abismo
Também eles estarão lixados
 
E não sairá deste sufoco
Se nada se fizer para o desmoronamento travar
O país continuará a empobrecer
E do fundo do abismo se irá afundar
 
Luís Pragana
17-06-2008
 
 
 
 
publicado por Lausinho às 11:28
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

Abril 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Sempre a assapar...

blogs SAPO

subscrever feeds