Posts recentes

História ou Lenda

Deixei lá a minha alma!

O ORÇAMENTO PARA GÉNIOS

O PODER DA OPINIÃO

A POBREZA

A ilusão do sonho ...

As Religiões e Deus

O COELHO DA CONSTITUIÇÃO

As Torres Gêmeas

Casa Pia

Arquivos

Abril 2011

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Tempo

Weather Forecast
Local Contractor Lists in All States of US
Local Contractors
Quarta-feira, 21 de Novembro de 2007

Uma sociedade hipócrita

UMA SOCIEDADE HIPÓCRITA
 
Vivemos numa sociedade perdida
Completamente desumanizada
Onde cada um puxa para si
Não se preocupando com mais nada
 
É uma sociedade de aldrabões
Vigaristas e traições
Onde abundam os pedófilos
Corruptos assassinos e ladrões
 
Por isso vemos as falcatruas
Dos Portucalem e os outros burlões
Ficarem sempre impunes
Porque se trata de milhões
 
É um sociedade de desigualdades
Propicias aos intrujões
E os políticos corruptos
Esses sim fazem figurões
 
Onde a maquina das finanças
Só aos grandes não penaliza
Mas no que toca ao cidadão comum
Rouba-lhe até a camisa
 
Mas é um país onde há inspecções
O que não consigo compreender
Onde se rouba aos milhões
E ninguém conseguem deter
 
Esta é uma sociedade hipócrita
Que se vive em Portugal
Rebenta pelas costuras
Numa justiça tão desigual
 
Os bandidos e os corruptos
Não têm que se preocupar
Porque aqui prendem os pelintras
E os homens da massa vão-se sempre safar
 
Dou razão aos gatos fedorentos
Eles sim têm razão
Roubar em Portugal é crime? Sim
O que é que acontece? Nada.
 
Ser pelintra em Portugal é crime? não.
O que é que acontece? Pildra com eles.
 
10-11-2007
 
BOAS FESTAS
publicado por Lausinho às 09:33
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 20 de Novembro de 2007

Direitos constitucionais

DIREITOS CONSTITUCIONAIS
 
Fazer greve em Portugal é um direito
O que é que acontece? Levas com uma carga policial
Ter sida neste país não é crime
O que é que acontece? És expulso do trabalho
Andas com problema financeiros, deves alguma coisa ao estado
O que é que acontece? Ficas teso
Roubas um pão para comer no super mercado
O que é que acontece? Vais preso, mas não deixa de ser crime
Falas mal do governo e do Sócrates
O que é que acontece? Levas com a polícia em cima
Fazes falcatruas de milhões
O que é que acontece? Ainda pedes indemnizações por difamação
Os violadores continuam à solta
O que é que acontece? As crianças continuam a aparecer violadas.
Os trabalhadores que estão no desemprego, porque os patrões, resolveram fechar as fábricas.
O que é que acontece? Não recebem e chupam pelo dedo
Deves dinheiro ao estado
O que é que acontece? Pagas com multa e juros elevados
Mas se o estado te deve dinheiro à 4 ou 5 anos
O que é que acontece? Não te mandam nem uma carta a dizer que tens o dinheiro a receber
Os compromissos com o estado é só para pagar
Tens um acidente de viação, ficas paraplégico
As companhias brincam com a saúde dos outros.
As companhias de seguro arrastam os processos anos e anos no que toca a pagar
Precisas de uma cirurgia
O que é que acontece? Depois de morto mandam-te a carta para a operação
Estás doente, queres-te reformar, vais à junta médica
O que é que acontece? Mandam-te para casa trabalhar
Afinal onde param os direitos?
E um serial killer que matou 3 raparigas e que diz que é doido
O que é que lhe acontece? Passeia por Lisboa a comprar revistas.
 
Luís Pragana
19-11-2007
 
 
 
 
 
publicado por Lausinho às 09:47
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 19 de Novembro de 2007

O idoso

O IDOSO
 
O idoso é como um livro aberto
Com ele só temos a aprender
Traz a sabedoria do tempo
Da era que o viu florescer
 
Mas são tratados como mercadoria
Com defeito ou já fora de prazo
São o estorvo para as famílias
E muitos andam ao acaso
 
Desiludidos e desmotivados
Doentes e maltratados
Vagueiam ai pelas ruas
Nem levantam os olhos coitados
 
Deram tudo pelos seus filhos
Neste pais que os maltrata
Vivem num sofrimento infeliz
Num país que aos poucos os mata
 
Esta insatisfação que sentem
Como um peça desgastada
A impotência de chegar aqui
Com uma reforma que não vale nada
 
Não passam de um peso morto
E já fartos de sofrer
Muitos têm se suicidado
E outros só pensam em desaparecer
 
Felizmente para alguns
Os filhos jamais os vão abandonar
Estão enraizados nas famílias
E têm os netos para ajudar a criar
 
Luís Pragana
19-11-2007
publicado por Lausinho às 10:11
link do post | comentar | favorito

A impunidade à portuguesa

A IMPUNIDADE À PORTUGUESA
 
Neste país está instalada
E o povo acomodado
Deixámo-nos adormecer
Por isso estamos neste estado
 
Como é que saímos daqui?
O Zé povinho está hipnotizado
Se tardar a despertar
Ficará endrominado
 
Vejam só em Felgueiras a santinha
Goza de impunidade
Até já arranjou maneira
De sacar mais algum à edilidade
 
Esta santa padroeira
E os seus discípulos amestrados
Enganam constantemente os munícipes
Que lhes estão a pagar os ordenados
 
Como os santos só recebem
Mesmo roubando são perdoados
Assim é nesta paróquia
Onde a autarquia vai pagar aos advogados
 
Mas note-se
Que não faz nada ilegal
Está na lei da autarquia
E ninguém a pode julgar mal
 
Esta santa malabarista já provou
Que o dinheiro da autarquia sabe manobrar
E sabida como é
Continua o Zé povinho endrominar
 
Luís Pragana
14-11-2007
 
 
 
 
publicado por Lausinho às 10:09
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 9 de Novembro de 2007

REPENSAR

REPENSAR
 
Repenso a minha vida
Ao passado vou regressar
Noutra época colorida
De um cinzento a debotar
 
Com carinho eu recordo
O bom e o mal que passei
Vejo ainda a minha mãe
Oh mãe como te amei
 
Os meus amigos ainda vivos
É bom assim recorda-los
Alguns andam desaparecidos
Outros a morte veio buscá-los
 
A infância vem acima
Eram um tempo sem maldade
Olho para esse tempo com carinho
Mas está fora da realidade
 
Mas na minha mente vive
Esse tempo tão diferente
Quando havia pessoas puras
Num sofrimento presente
 
Os valores que me incutiram
São os que ainda hoje tenho
Já não passam de memória
De um tempo de onde venho
 
Luís Pragana
03-11-07
 
publicado por Lausinho às 17:31
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

Abril 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Sempre a assapar...

blogs SAPO

subscrever feeds